5 dicas para escolher um bom vinho

0
1423

Comprar um vinho num supermercado pode ser uma experiência stressante. Em frente ao linear, deparamo-nos com milhares de marcas, produtores, preços, etc. Neste artigo dou-lhe
5 dicas que o ajudarão a simplificar o processo de escolha.

1. Ocasião de consumo

A ocasião de consumo deve ser um factor preponderante na escolha do vinho. Comprar um vinho para o dia-a-dia é diferente de comprar um vinho para uma ocasião especial. Antes de chegar ao linear do supermercado, avalie a finalidade a que se destina o vinho. É um jantar de Amigos? É a celebração do nascimento de um filho? Ou é um vinho para consumo diário?

Estabeleça balizas de preço realistas. Provavelmente estará disposto a gastar um pouco mais para um momento especial e menos para um vinho de consumo regular. Hoje em dia, conseguimos com relativa facilidade encontrar vinhos de qualidade entre os 2,00€ e os 4,00€. Da mesma forma que conseguimos encontrar vinhos para oferta ou celebração de momentos especiais entre os 10,00€ e os 20,00€.

2. Tipo de Vinho que mais gosta

Já no supermercado e em frente ao linear, a primeira coisa que deve pensar é “que vinho quero levar? Branco? Tinto? Rosé? Espumante, Vinho do Porto…”

Escolha com base no que mais gosta. O wine pairing ou “casamento com a comida” deve vir depois. A visão de que vinho branco é para peixe e vinho tinto para carne está longe de ser a mais acertada como vamos ver no próximo ponto.

No fundo, o que importa é que gostemos do vinho. Não adianta escolhermos um tinto para que fique bem com a comida e depois não bebermos porque não gostamos do seu aroma ou sabor. Lembre-se sempre que um bom vinho realça o melhor da comida e um mau vinho pode arruinar o melhor dos pratos…

3. Comida – Wine Pairing

Há determinadas características no vinho e na comida que o podem ajudar a fazer esta escolha. Por exemplo, se vai fazer uma carne de porco assada e que naturalmente é um prato rico em gordura, deve escolher um vinho com taninos fortes de forma cortar esse efeito da gordura. Aqui, talvez um tinto com estágio em madeira possa ser uma boa solução. Por outro lado, se vai optar por algo doce (uma sobremesa por exemplo) deve escolher um vinho igualmente doce (um vinho do porto é sempre uma boa opção).

Um prato com bastante sal (por exemplo um robalo ao sal) deve conjugar-se com um vinho de acidez elevada para que possa contrastar com o sal do peixe e não ficar demasiado aborrecido. Aqui poderemos optar por um vinho branco da região do vinho verde ou um tinto menos encorpado mas com uma acidez equilibrada (por exemplo das Beiras).

Mais uma vez, o importante é o gosto pessoal de cada um e não o facto de ser branco ou tinto para peixe ou carne.

4. Promoções

As promoções e as feiras de vinhos são uma boa altura para aproveitarmos e reforçarmos o stock lá de casa. Contudo tenha muita atenção. Não se esqueça que num mercado tão polarizado como o dos vinhos, cada garrafa conta, e os diferentes produtores e adegas cooperativas usam diversas estratégias para “agarrar” o consumidor.

Desconfie sempre de promoções acima dos 30%-40%. Um bom vinho geralmente não tem promoções neste patamar. As marcas que se posicionam neste tipo de promoções normalmente adoptam uma estratégia simples: Posicionam o preço de prateleira “inflaccionado” para depois poderem aplicar descontos de 50%, 60% e 70%. Isto é, um vinho que à partida deveria estar na prateleira a 3,00€, está a 10,00€ para recorrentemente ter promoções de 70% e poder baixar para os ditos 3,00€.

O meu conselho é que aproveite as promoções nos vinhos que já conhece para comprar uma quantidade adicional e reforçar a sua garrafeira pessoal.

5. Experimentar é a melhor forma de conhecer

A melhor forma para conhecer o mundo dos vinhos é provando. Não tenha medo de experimentar novas marcas, produtores, regiões… Quanto mais provar, maior será a sua “biblioteca” de vinhos.

Sugiro que vá anotando os vinhos provados e os traços que mais o marcaram (aroma, acidez, corpo, marca, região, preço, etc…) de forma a ir criando uma “enciclopédia” pessoal. Para isso, pode utilizar as diferentes app’s que hoje existem. Neste campo recomendo o Vivino (disponível para android e IOS) que é simples de utilizar e tem uma enorme base de dados. Através de uma simples fotografia ao rótulo podemos saber a origem do vinho, castas, preço médio de compra e vários comentários de outros utilizadores.

Espero que este artigo tenha sido útil e que o ajude a escolher um bom vinho na próxima visita ao supermercado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here